terça-feira, 30 de agosto de 2011

Drugs Central: Al Jazeera on the war on drugs




by David Ucko

It has been far too long since my last blog post. Between getting married, starting a new job and writing a new book, my blogging has taken a hit. But I am back now, hopefully with some more regular contributions. Today we shall mostly be talking about drugs…
Over the last month or so, al-Jazeera have featured a series of reports and on the role of the drugs trade in the Americas. For those interested in the relation between drugs, crime and political instability, the on-the-ground reporting and close access to growers, smugglers and ordinary residents affected by the drugs trade all make for interesting and disconcerting viewing. The series as a whole is called Drugs Central and you can find all of the relevant material and videos here. I would in particular recommend scrolling to the bottom of the page, where they have for some reason hidden all of the truly good stuff: 30-minute episodes of Al Jazeera’s Fault Lines programme, providing in-depth investigations of particular problems relating to the drugs trade.
Watching these videos paints a fairly alarming picture of the scale of the problem. The cartels and drugs traffickers have established a scope and reach that stretches across countries, implicates law-enforcements agencies and often gives them more economic, political and military clout than the authorities and governments opposing them. Various counter-measures have been attempted but judging from these videos it would appear that the real losers of this war are the residents, most of them poor, who happen to populate the northwards path from supplier to consumer nations.
Even casual readers of the news are familiar with the particular problem in some of Mexico’s border towns, but the numbers involved are still shocking. More than 8,000 people have been killed since 2008. Here, the proximity to the US is the issue, as every street corner is prime real estate for the sale of drugs and have become the battle ground between the Sinaloa and Juarez cartels. As in many other places visited by the al Jazeera team, the institutions responsible for law and order are either too weak or unwilling to do their job. As a result of lacking capacity and capability, only about 1 to 2 per cent of the murders in Juarez lead to a sentence. Part of the reason for this is corruption, as members of the police force have been found to be implicated in organized crime. The result is a climate of impunity in which cartels harass citizens, engage in extortion and intimidation and violently get rid of anyone who may breach their rule or constitute a threat. The documentary Mexico: Impunity and Conflict provides a chilling assessment of the problem and its many causes.
Mexico may be the most notorious victim of the drugs trade, but the problem truly is international and affects all countries implicated in the process, from growers, transit countries, to consumers, including the United States. One of the reports details the arrest of the mayor and police chief of Columbus, New Mexico, both of whom had been gotten to by the Mexican drugs cartels and were charged with smuggling 400 guns across the border. In the same video, al Jazeera shows the determined effort by the Mexican drug cartels to infiltrate the very law-enforcement agency responsible for stopping narcotics from getting into the country. So far, we are told, 129 US Customs and Border Protection agents have been charged with various corruption-related offences and more than 600 possible charges are still underway.
If the cartels are able to achieve that type of influence and power in the United States, it is easy to imagine their sway elsewhere, where local institutions are weaker and opportunities fewer. In a report from Colon, Honduras, we see how the drug cartels are pushing farmers off their land so as to use their palm-oil plantation to smuggle cocaine. The police are shown as bystanders, refusing to get in the way of the cartels’ intimidation (and by intimidation, I mean ‘burning their farm down’). Through such action, we are told, Colon has gone from being the ‘breadbasket’ of Honduras to the ‘cocaine basket’ of the Central America. The problem, here as elsewhere, is the power and impunity of the cartels, the incapacity and corruption of official authorities and the detrimental effects of these factors on the local economy and society, with citizens resorting to increasingly desperate means to cope with the situation. In the end, for many, if you can’t beat them, you join them.
Of course Al Jazeera spends a fair amount of time on possible solutions, though it quickly emerges that there are no silver bullets here. In Acapulco, we are told, the strategy has consisted of removing the kingpins governing the cartels, in the hope that this would reduce violence. Instead, it seems, the drug flow – the causative factor behind the violence – remains and junior leaders are now engaged in a violent power struggle for the spoils left by their erstwhile leaders. As the younger generations fight, the aggregate death toll has risen.
Elsewhere, governments have attempted to deal with the problem of limited capacity by bringing in the armed forces, including the special forces, to combat the drug cartels. In Guatemala, for example, al Jazeera covers the Kaibiles, an elite unit with a history of gruesome operations against left-wing sympathisers and civilians during the country’s civil war, but that is now involved in domestic counter-narcotics operations. The problem here is that this expedient measure, even if effective, represents a dangerous backwards step for countries with a problematic history of civil-military relations. Take El Salvador, for example, where the Army is now back on the street to deal with problem of gangs involved in the drugs trade. The domestic use of the military was one of the major issues at the Chapultepec Accords that ended the El Salvador civil war in 1992, but when the gangs are armed, number 25-30,000 and control entire neighbourhoods, the state may have few viable alternatives other than to deploy the Army on domestic counter-narcotics duties.
This is not the only problem with ‘bringing out the big guns’. First, the armed forces are not immune to the corruption that has affected most other authorities involved in this battle. In Guatemala, former members of the Kaibiles have allegedly been recruited by the drug cartels as trainers, given their specialist knowledge of the military craft. The cartels have apparently also been able to corrupt mid- to high-ranking military officers and get their hands on Army weapons. And of course armies are directed by civilian masters and as al Jazeera’s coverage makes clear, the cartels are able to buy off local politicians, determining the results of elections and ensuring, in this manner, that future political leaders are friendly to their cause or amenable to their pressure. Contenders to political office who take an undesirable approach toward the cartels are attacked, murdered or otherwise coerced to step out of the race.
Finally, of course, the military typically deals with a security implications of more deep-rooted problems, with economic, political and social underpinnings. This is where the true magnitude of the problem becomes clear. In El Salvador for example, it might be possible for the Army to counter the gangs that are most active in the drugs trade, primarily the Mara Salvatrucha. Yet as the al Jazeera report points out, the gangs in El Salvador are mere service providers for the Zeta cartels based in Mexico. In other words, there is a risk that these gang members, most of whom are under 20, become cannon fodder in a war in which they are just pawns. Then a deeper question must be asked, will these dead pawns simply be replaced and why, finally, are there so many gangs in El Salvador? One boy interviewed in the Al Jazeera report says he had wanted to study graphic design but his parents could not afford it. So instead, he turned to gang-life.
Similarly deep-rooted socio-economic problems underlie the drugs problem in Guatemala. Corruption is a huge problem, as is poor governance and lack of opportunity. Against this backdrop, the drugs trade provides a lucrative market and patronage system, the spoils of which are fought over violently. As an illustration, in an interview with al Jazeera, Alvaro Colom, the President of Guatemala, explains that the amount of drug money passing through Guatemala is 1.5 times the national budget. Not surprising then that in the last decade the murder rate in Guatemala has doubled that of Mexico.
All of the videos in this series are interesting and well worth watching, but the longer programmes are probably the most valuable parts of the series. The interviews are also interesting: witness the brutally honest and pragmatic suggestion by Jorge Castaneda, the former foreign minister of Mexico, that all drugs be legalised so as to undercut the power of the gangs that profit from their control over the market.
That argument may be too extreme for many, but watching these videos and reading around the topic, it seems to me that it is time to think seriously about decriminalising marijuana in the United States. Already the medical marijuana industry provides a grey zone that is ripe for abuse, the topic of a recent PBS documentary. While federal and municipal authorities wrestle over what is lawful and what is not, teenagers and adults keep on buying, selling and smoking the stuff (which for all intents and purpose is no more dangerous, some might say it is less dangerous, than alcohol). Bear in mind also that the Mexican drug cartels at the centre of the mess described in this post derive more than 50% of their profits from marijuana. More than 50%… Meanwhile, decriminalization could also provide cash-strapped municipal authorities with some added resources, through taxation and through the savings accrued by not having to pursue and incarcerate US citizens on marijuana-related crimes. According to one estimate, the U.S. spent an estimated $7.6 billion dollars on incarcerating 700,000 non-violent offenders on various marijuana-related offenses in 2003. It is a situation that doesn’t seem to make much sense to me.

Albert Einstein: No Drugs: Vida Longa & Prosperidade




Essa usou CRACK....




Legalización de las drogas generaría más violencia: Poiré




En el marco del Foro Regulación de Mercado de Drogas en México, Alejandro Poiré se dijo a favor de un debate serio, democrático, plural, integral y coherente en este tema pero aclaró que cualquier decisión en ese sentido debe de ser global pues de lo contrario las ganancias millonarias seguirían a manos de los narcotraficantes que son también los que controlan el mercado de drogas al menudeo.
En el marco del Foro Regulación de Mercado de Drogas en México, el secretario Técnico del Consejo de Seguridad, Alejandro Poiré durante su intervención advirtió que la legalización de las drogas de manera unilateral aumentaría los problemas de criminalidad en nuestro país.
Se dijo a favor de un debate serio, democrático, plural, integral y coherente en este tema pero aclaró que cualquier decisión en ese sentido debe de ser global pues de lo contrario las ganancias millonarias seguirían a manos de los narcotraficantes que son también los que controlan el mercado de drogas al menudeo.
Recordó en cuanto a la cocaína que ese mercado genera ganancias anuales por 35 mil millones de dólares, "mucho cuidado, nada más peligroso que suponer que cambios en la regulación exclusivamente dentro de nuestro país es la solución al problema".
Señaló que las ganancias extranormales se producen al final de cuentas en el mercado del consumo el cual es hoy en día predominantemente en el caso de la cocaína de los Estados Unidos.
"Nada sería peor que en la situación actual de vulnerabilidad se cambiara de manera unilateral el régimen de nuestro país, dado que las ganancias seguirían siendo extranormales e ilegal en el mercado del consumo. Lo único que generaría es la exacerbación de los problemas de criminalidad en nuestro país"
El vocero de Seguridad Nacional, destacó la importancia del foro dado que el presidente de la República, Felipe Calderón desde un primer momento planteó no solamente la necesidad de tener una estrategia de seguridad nacional que pudiera ir conteniendo un fenómeno de criminalidad que estaba creciendo de una forma muy acelerada, sino también el hacerlo en un entorno abierto, democrático, plural e incluso atendiendo debates como el que el día de hoy los ocupa.
Un entorno, dijo que se debe de reconocer que viene desde 40 años de historia, no solamente en México sino de parte de otros países respecto de la perspectiva, la regulación o no regulación vinculada al fenómeno de venta, producción, comercio ilícito de ciertas sustancias.
Poiré apuntó que en esos años de historia han pasado muchas cosas como acciones que se tomaron o no se tomaron en su momento en nuestro país y lo que hoy en día tenemos es un fenómeno de delincuencia y violencia que está vinculado con el tráfico internacional de estupefacientes pero que tiene una dimensión histórica propia que es distinguible del fenómeno del crecimiento del mercado internacional de las drogas, particularmente del consumo en los Estados Unidos.
Un ejemplo de la ilustración criminal es que hoy en día parte de la violencia que ha asolado a Nuevo León y Tamaulipas tiene que ver con la ruptura de la organización delictiva llamada Golfo-Zetas, hoy en día sus distintas bandas se están peleando por negocios criminales en distintas zonas del noroeste del país.
"La búsqueda de la seguridad de nuestro país tiene que ver con el mercado internacional de las drogas pero tiene una dimensión con la cual no podemos cejar en el esfuerzo, no podemos ignorar que existe y sobre la que tenemos que seguir avanzando".
Apuntó que la comisión ha sido particularmente valiosa en la discusión de las políticas públicas en la materia que tiene que ver con el debilitamiento de las organizaciones delincuenciales, con el fortalecimiento de las instituciones de procuración de justicia, de administración de justicia, de investigación policiacas, tiene que ver con una construcción del Estado mexicano que alguna medida y en particular en algunas zonas del país, no han sido plenamente satisfactoria lo cual ha sido un empeño del gobierno de la República.
También aseguró tiene que ver con una reconstrucción del tejido social, particularmente en las comunidades en donde el fenómeno adictivo ha crecido y el fenómeno de adicción está estrechamente vinculado incluso en las estrategias de las organizaciones delictivas para incrementar su mercado doméstico.
Subrayó que no se puede pensar que si en el mundo hoy en día existe un fenómeno que es global, como es el consumo de ciertas drogas y que los daños de ese fenómeno se presentan en todo el mundo pero de manera asimétrica concentrados en la zonas de trasiego como Centroamérica, México, entre otros.
"No podemos pensar que la forma de abordar ese debate puede ser unilateral, tiene que ser global, tiene que ser coherente no es suficiente hablar del fenómeno como se habló recientemente en California, del fenómeno de descriminalización del consumo de una sustancia como una posible solución", destacó.
Subrayó que el debate tiene que tomar en cuenta las implicaciones del consumo, de la producción, las implicaciones de la distribución y del comercio lo cual tiene que ser un debate global.

Con información de Sara Pablo

Rock in Rio : Diga Eu Vou Sem Drogas



Foi lançada no blog oficial do Rock in Rio, no último dia 27, a campanha "EU VOU Sem Drogas". O objetivo é prevenir ao máximo o uso de entorpecentes no evento.
A ação é fruto de uma parceria entre a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) e a organização do festival. Para divulgá-la, foi gravado um vídeo com a colaboração de artistas que vão tocar na quarta edição nacional do Rock in Rio. Nomes como Claudia Leitte, Di Ferrero (NX Zero), Eduardo Falaschi (Angra), Milton Nacimento, dentre outros, abraçaram a ação e participaram do clipe. Também apareceram no vídeo, os atores Marcos Frota, Paola Oliveira, Thiago Lacerda e Vanessa Lóes.
Além do vídeo foi criado um site para que os interessados possam acessar e tirar dúvidas, de forma anônima, com vários especialistas nos assuntos que envolvem os prejuízos que as drogas podem causar.

sábado, 27 de agosto de 2011

Celeridade jurídica exige cautela


Por Sebastião Gilberto Mota Tavares

Alguns acontecimentos recentes – novos casos de grupos de extermínio em partes do país dantes insuspeitas, a dificuldade na punição dos crimes de colarinho branco, abusos, servidores públicos flagrados em casos suspeitos etc. – nos fizeram guindar lateralmente dos temas que, costumeiramente, vínhamos escrevendo. Tais explosões de violências, crimes e “impunidade” merecem análise que, muito embora não seja das mais abalizadas, tenta esforçar-se para chegar ao mínimo necessário à discussão. Diante de casos tão publicamente divulgados, não poderíamos, mesmo diante de nossa indiscutível limitação, deixar de esposar nossa opinião.

Talvez bom começo seja fixar e realçar fenômeno que tem seguido o Direito desde meados da década de 1980; e seguido, não apenas no Brasil, mas por todas as latitudes possíveis, tornando-se fenômeno verdadeiramente mundial. No Brasil, particularmente, teve sensível recrudescimento, seja porque saímos de período de exceção político-institucional que, de certa maneira, “tolhia” a capacidade de normatização dos vários aspectos da vida social ou, quando menos, determinava os aspectos sobre os quais era possível legislar, seja porque passamos a adotar pressuposto de que tudo há de ser resolvido pela lei. Falamos do fenômeno, na falta de melhor termo, da inflação legislativa, consubstanciado na inimaginável, multifacetária e abismal produção de leis realizada pelos parlamentos de praticamente todos os estados nacionais da contemporaneidade.

Desde a série que começou em 1946, já se vão, afora leis complementares, decretos e emendas constitucionais, mais de 12 mil leis, cuja velocidade de elaboração aumentou assustadoramente, como dito acima, nos últimos vinte anos. Lembremo-nos de que, nas Academias de Direito até os idos de 1960-70, não tínhamos muito a preocupação de consultar códigos ou poucas leis extravagantes “atualizados”. O universo de estudo que tínhamos estava restrito aos clássicos Códigos – Civil e Processual Civil, Penal e Processual Penal, Comercial e CLT, passando, dependendo da desenvoltura do professor, pelos clássicos Códigos de Obrigações e pelo Anteprojeto de Código Civil – e por algumas poucas leis específicas, como o Estatuto da Terra e este, ainda assim, dependendo da grade curricular da respectiva Faculdade. Juridicamente – e note-se: não estamos falando dos aspectos políticos, institucionais e cívicos, mas apenas do jurídico –, Brasília, salvo em alguns casos específicos – como na votação da instituição da dissolução do casamento no Brasil, que acabou se transmudando na instituição da separação judicial (EC n. 09/1977) –, era algo tão distante que simplesmente passava bem ao largo de nosso espectro qualquer menção a Ela, no sentido de saber o que “estava ocorrendo em Brasília” de importante para o Direito.

O quadro mudou drasticamente. Demos guinada diametralmente oposta. Saímos de restrito leque para arco tão amplo que pode perpassar seguramente todas as doze casas do firmamento zodiacal em céu estrelado. As leis se sucedem como se estivéssemos diante, para lembrar do clássico filme de Charlie Chaplin Modern Times (Tempos Modernos) no qual se enrosca pelas engrenagens e catracas de maquinismo que incessantemente não para de funcionar, em linha de produção que exige a feitura de uma lei a cada hora. O fenômeno da inflação legislativa é de tal monta que mudamos nosso comportamento na Faculdade: temos que estar constantemente vendo o diário oficial, rabiscando os Códigos e leis e fixando datas limites para consideração das alterações realizadas: “a prova abrangerá até o capítulo ‘X’ com as alterações legais realizadas até o dia ‘Y’”. Até mesmo nos concursos públicos o estabelecimento de data limite para que as alterações legislativas caiam no concurso é estabelecida, criando o contrassenso de dada norma ser aplicada pelos juízes já empossados mas não o ser por aquele que deseja sê-lo. O problema é tão grave que, quem não estiver devidamente “atualizado”, lendo o diário oficial todos os dias como se fosse periódico jornalesco, corre o risco de enveredar por cenas de hilaridade coletiva: alguém pode lançar blefe ao Advogado na audiência asseverando que o dispositivo no qual está se baseando já fora revogado há coisa de dois dias…

Em absoluto, estamos defendendo qualquer coisa que siga pela linha da eternidade. Obviamente, sabemos, desde lições iniciais dos cursos jurídicos, que não existe lei que seja dotada de sempiternidade. O Direito segue a sociedade e, se esta cambia, naturalmente, deverá cambiar o Direito. Na verdade, a mudança não é o problema, mesmo porque, debalde, tentaríamos defender a sua improcedência. O problema e o que nos preocupa é a cultura da “rapidação” de nossos dias e sua inevitável inflexão sobre e no Direito: tudo tem que ser rápido e instantâneo à semelhança dos bits computacionais. Se abrimos o computador e este demora cinco segundos além dos normais, ficamos impacientados e crendo que decorreram séculos. Idem quando, no foro trabalhista, demoramos cinco minutos mais: deixamos o filho à sorte de ônibus, táxis e vans e almoçamos hambúrguer no carro enquanto nos dirigimos ao foro estadual para outra audiência. Ibidem quando vamos ao banco saldar dada conta e o cash, ao consignar “sua operação está sendo processada”, “processa” por longos cinco minutos quando o normal é “processar” quase instantaneamente. Cinco minutos! Perda de cinco minutos é impensável em cultura que venera a “rapidação”. Sob prisma eminentemente temporal, podemos dizer que a Humanidade, enquanto em outros séculos andava calmamente, no Século XX passou a correr freneticamente. E nada indica ou está a indicar que o Século XXI será diferente. Muito ao revés, estaremos nos dirigindo ao superlativo da instantaneidade: antes mesmo de fazer, já teremos que ter feito… Antes mesmo de ir, já temos que ter ido… Antes mesmo de ser, já temos que ter sido…

Ora, a “rapidação” causa profundos estragos ao Direito. Assim como ocorre nos demais campos de nossa vida cotidiana, não temos tempo a perder e a norma tem que sair e sair de qualquer maneira. O resultado é que nunca chegamos ao ideal: chegamos apenas ao possível. A lei passa a ser elaborada no pressuposto de que, como foi elaborada dentro do que foi possível fazer e não dentro da racionalidade técnica que se exige para mexermos no sistema jurídico, terá que passar necessariamente por reformas futuras, para retirar suas “falhas” e “brechas”. Isto causa outro problema decorrente: a primeira versão da lei é, em verdade, um balão de ensaio através do qual poderemos verificar os “resultados” – ou, melhor diríamos, “estragos”? – provocados pela primeira versão da lei. Às vezes, a publicação da lei serve apenas para confirmar o que se dizia quando de sua elaboração: “Está vendo! Eu não disse que isto não daria certo!” O princípio da continuidade das leis, em face da “rapidação”, torna-se tão robusto quanto pintura feita sobre a água: a lei não nasce mais para a estabilidade e segurança jurídicas, mas para ser necessária e futuramente corrigida, de preferência, através de medidas provisórias – e criamos outro grotesco problema.

Exemplos não faltariam por todo o Direito, mas nos fixemos no espectro penal: até hoje, os juízes não se entenderam acerca da mescla de tipos penais realizada pela Lei n. 12.015/2009 quanto aos crimes contra a liberdade sexual; para nós, e obviamente poderemos estar equivocados, a atual lei contra tóxicos – Lei n. 11.343/2006 –, ao descriminalizar o consumo próprio de qualquer droga, ainda que preveja a “pena” de advertência, legalizou o seu consumo, pelo que não vemos porque haver tanta celeuma quando se discute sobre a liberação, por exemplo, da maconha. Ora, pelo texto legal, o consumo próprio da maconha já está legalizado e liberado! Mais: a mesma lei manda que o consumidor seja apresentado ao juiz, o que, muito dificilmente, na prática, é feito, pois tal consumidor é apresentado mesmo ao delegado; ao confrontarmos os atuais dispositivos do Código Penal e do ECA, encontramos algumas incongruências: o namorado (ou a namorada) pode levar a namorada adolescente (ou o namorado adolescente) menor de catorze anos, desde que com a sua aquiescência (art. 217-A do CP), a certa casa de tolerância para, com ela (ou ele), praticar conjunção carnal ou outro ato libidinoso, mas, contraditoriamente, não pode tirar foto dela (ou dele) para colocá-la no porta-retrato, pois incorreria no tipo do art. 240 do ECA. Notemos a incongruência: alguém (homem ou mulher) pode levar, segundo o CP, outro alguém para casa de tolerância com a sua aquiescência, fazer com esse alguém tudo o que for possível fazer na relação puramente carnal homem-mulher, mas não pode, pela norma proibitiva do art. 240 do ECA, tirar simples foto do (a) seu (a) consorte para pôr no seu quarto! Aliás, pelo tipo do art. 241-B, o simples “pôr no quarto” a fotografia é também crime…

Continuemos com a argumentação utilizando o mesmo exemplo: os tipos penais supra referidos do Código e do ECA pressupõem ou não o consentimento do (a) adolescente como seu elemento subjetivo? A aquiescência? Dito de outra maneira: é ou não elemento subjetivo daqueles mencionados tipos penais a concordância do (a) adolescente? Se respondermos afirmativamente, então, quer o sujeito passivo concorde ou não, haverá crime. Ocorre que, se assim pensarmos, cairemos no absurdo de dizermos que ninguém mais pode namorar menor de catorze anos, pois havendo ou não concordância deste ou desta, haverá crime. Para nós, precisamente porque sabemos que, pelos idos que correm, o namoro ocorre, às vezes, bem antes dos catorze anos, respondemos que a concordância não é elemento subjetivo do tipo e, portanto, desde que haja, não haverá os crimes dos artsigos 217-A do CP e 240 e 241-B do ECA por atipicidade da conduta. E isto para não falar da grande celeuma que se avizinha com a entrada em vigor da Lei n. 12.403/2011, que alterou as prisões cautelares em matéria processual penal.

Em todos esses casos, parece que o legislador do CP não é o mesmo que o do ECA ou o do Código de Processo, tal a falta de continuidade entre umas coisas e outras. É como se o legislador de certa norma desconhecesse completamente a existência de outra que, com a norma alterada, possui profunda ligação. Aliás, no caso da Lei n. 12.403/2011, relembre-se que temos projeto de Código de Processo Penal tramitando no parlamento…

Toda essa babel legislativa é consequência direta da “rapidação” no Direito e dos malefícios e danos que lhe causam. Se podemos verberá-la em outros campos do Direito, devemos fazê-lo com maior agudeza no Direito Penal, pois isto causa notáveis admoestações na interpretação, aplicação e integração da lei penal. Sobretudo porque causa frontal conflito real – não meramente aparente – entre os princípios de segurança pública (que exigem a punição e o encarceramento dos criminosos) e os princípios do direito penal mínimo (que promovem exatamente o contrário, a saber, a punição e o encarceramento mínimos dos criminosos, estabelecimento de penas alternativas etc.).

Na confluência desses dois princípios que norteiam o legislador penal hodiernamente, as normas, em virtude das pompas e circunstâncias que perpassam o mundo jurídico e do ritualismo que cerca qualquer instituição – e o Parlamento não poderia ser diferente –, continuam sendo apresentadas entre plumas e paetês. E o Povo, cansado de tanta incoerência, de normas assistemáticas e ametódicas e de tatear no escuro, começa cada vez mais a fazer aquilo que nunca mais fez na história dos estados modernos: justiça com as próprias mãos. Sob esse específico ponto de vista e sem fazer qualquer juízo de valor, não há diferença ontológica entre o lixamento popular do criminoso e a milícia que o massacra. Em ambos está o mesmo pressuposto: a inflação legislativa, já exausta de tanto prometer e não cumprir, deixará o Povo entre as armas e pedras de policiais e meliantes e as rosas dos sepultamentos…
Sebastião Gilberto Mota Tavares é procurador da Fazenda Nacional, mestre em Direito pela UF-PE, escritor e assessor jurídico na Câmara dos Deputados.

Revista Consultor Jurídico, 27 de agosto de 2011

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Death for 50 ruppes: Misuse of prescription drugs in South Asia



UNODOC
25 August 2011 - "I smoked heroin for a long, long time but for two years now, I only inject. It's cheaper and somehow the same," said Darminder, his clothes and body marked by a life on the street, his eyes sad and tired from years of constant pharmaceutical drug abuse. A few hours later the 17-year-old boy was dead. In an argument about money for more drugs he was beaten and left to die in a dirty alley.
"Death for 50 rupees" is the title of freelance photographer Enrico Fabian's latest photographic series. His stark black and white photographs from Jahangirpuri, a settlement in New Delhi, India, stand witness to a grim reality - the growing use of narcotic and psychotropic prescription drugs by injecting drug users. Intended for use in the prevention, diagnosis and treatment of various diseases, pharmaceutical drugs may be procured over-the-counter without any restrictions or with a physician's prescription. Some narcotic and psychotropic prescription drugs, for example opiate pain killers such as morphine and some anti-cancer drugs, are under stricter regulatory controls.
Enrico's photographs, however show the devastating effects of prescription drug misuse. During the 11 months he spent interacting with injecting drug users in the Jahangirpuri settlement, he saw a number of young boys and men whose lives have been destroyed by the injection of prescription drugs - due to their easy availability from nearby pharmacies. "Purchasing these drugs is as easy as buying cough syrup at the supermarket," says Enrico. "The medicine - which shouldn't be given to anyone without a doctor's prescription - is sold at a price even the poor can afford. Vials of Buprenorphine, usually used to treat opioid addiction, Diazepam, also known as Valium, Avil and two disposable syringes can be bought for 50 rupees, a little less than US$ 1. Depending on the customer's relationship with the pharmacist, an additional strong antidepressant tablet or extra morphine may be handed out for free."
Easy access, affordability and high purity of narcotic and psychotropic prescription drugs make them attractive substitutes for illicit substances among drug users. According to UNODC's recently released World Drug Report 2011, stable or downward trends for heroin and cocaine use in major regions of consumption worldwide are being offset by increases in the use of synthetic and prescription drugs. The non-medical use of prescription drugs, such as synthetic opioids, tranquillizers and sedatives or stimulants is reportedly a growing health problem in a number of countries.
While high-risk injecting practices such as the sharing of contaminated equipment increases the risk of spreading infections like HIV and Hepatitis C, injecting pharmaceuticals can also pose health hazards such as abscesses, tissue necrosis, gangrene and nerve paralysis. Another concern is the growing number of drug users who also use prescription drugs to enhance the effects of their illicit drug of choice.
A complex problem with a multitude of factors, the misuse of narcotic and psychotropic prescription drugs demands a multi-faceted and sensitive approach. Since the prescription drugs misused in much of South Asia are largely available through pharmacies, there is need for a greater awareness in the pharmaceutical industry about the possibility of misuse of these drugs. It is essential to encourage pharmacies to establish codes of conduct, enforce ethical practices and to impress upon them that selling prescription drugs over the counter is a criminal offence.
For smugglers, trafficking pharmaceuticals within South Asia is a lucrative business. The recent emergence of illegal websites hosted outside the region, offering an unregulated trade in a range of prescription-only medicines, is also a matter of serious concern.
While almost all countries in South Asia have a largely adequate legal and regulatory regime in place to deal with the issue, gaps still remain in their proper implementation. Strengthening policy, legal and regulatory regimes in the region, as well as the existing coordination mechanisms at operational level is vital.
There is also a pressing need for more studies and surveys, and cooperation required from policy makers, law enforcement officials, pharmacists, the pharmaceutical industry and drug treatment service providers to better understand the nature and extent of the problem so that it can be effectively tackled.
"The consequences of this irresponsible and shameless business are devastating," says Enrico. "Faces, once full of enthusiasm and vitality slowly turn into lifeless masks trying to hide their unquenchable need for more. Among all the people trapped in this vicious circle of poverty, addiction, violence and lost dreams, 17-year-old Darminder's life took a very wrong turn. Like that of many others before him…and like that of many more to come."

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Uruguay: Debate nacional sobre drogas

Esperan obtener lineamientos para nuevas políticas
La extensión del consumo de pasta base y la posibilidad de legalizar el autocultivo de marihuana serán centro del Primer debate nacional sobre drogas que se realizará del 29 al 31 de agosto, en la Intendencia de Montevideo. La instancia pretende ser una "discusión profunda" sobre la problemática, que "habilite el diseño" de nuevas políticas públicas que "respeten los derechos" de los ciudadanos y que "redunden en una mejora en la calidad" de los servicios que se brindan.

"Hay quienes reclaman más políticas, hay quienes piden consumir porque entienden que es su derecho. Entonces la discusión pública siempre ayuda a resolver los temas complicados", comentó el secretario general de la Junta Nacional de Drogas, Julio Calzada, durante el lanzamiento de la actividad realizado ayer en el Ministerio de Desarrollo Social.

La responsable del Programa Adolescentes y Juventud del Ministerio de Salud Pública, Susana Grunbaum, indicó que para el MSP, que atraviesa una reforma de la salud y un cambio en el modelo de atención, el debate será "determinante".

"Este tema tiene que ver con la salud en el sentido más democrático y más general, en lo que llamamos el primer nivel de atención. Tenemos que revisar las propuestas y este debate es fundamental para ello", aseguró Grunbaum.

Por su parte, el ministro de Desarrollo Social, Daniel Olesker hizo hincapié en la importancia de un debate para "desmitificar" y "abordar" una temática. "Si queremos desmitificar el tema y sacarlo del diálogo fácil y del análisis sencillo, este debate democrático va a aportar mucho", afirmó.

"Drogas ilícitas: un abordaje desde la Salud Pública. El fracaso de la prohibición", "Educación con base en comunidades educativas", "Los trasfondos del imaginario sobre `drogas`: valores culturales, geopolítica, intereses corporativos y hechos mediáticos", son algunos de los tópicos que se tratarán durante la instancia de discusión en la IM.

Olesker hizo referencia a la drogadicción y a la educación y comentó que está trabajando para que haya un proyecto de ley que establezca la obligatoriedad de la incorporación de estos temas en la currícula, así como también dentro de la responsabilidad empresarial de los medios.

domingo, 21 de agosto de 2011

Do outro lado da Lua



Revista Piauí



As clínicas para tratamento de crianças e adolecentes viciadas em CRACK






Janaína, uma menina de 14 anos, negra, baixinha, boca grande e lábios grossos, falastrona e, vista de certo ângulo, divertida, não tem a ponta do dedo indicador da mão esquerda. É o menor de seus problemas. Janaína começou a se prostituir aos 10 anos. O primeiro a abusar dela foi um policial. Ganhou em troca uma pedrinha de crack. Passou a viver na área do Centro de São Paulo conhecida como Cracolândia. Entrou na roda-viva de prostituir-se, ou “fazer programas” – muitos, a cada dia –, em troca das pedrinhas miraculosas – muitas, a cada dia.
“No começo, eu nem sabia o que era programa”, diz Janaína. “Pensava que era programa de televisão.” Dá um sorriso maroto. É o seu lado divertido. Um dia, a pedra do crack estourou dentro do cachimbo e queimou-lhe a mão. “O dedo ficou cheio de pus.” Levaram-na para a Santa Casa de Misericórdia, e teve de ter a ponta do dedo amputada. Foi um acidente grave, mas um nada, um detalhe, uma coisica do tamanho da ponta de seus dedinhos de criança, no contexto geral da vida que lhe foi reservada.
Janaína é um dos adolescentes, entre meninos e meninas, internados no Serviço de Atenção Integral ao Dependente, o Said, uma unidade de tratamento da prefeitura paulistana, administrada pelo Hospital Samaritano de São Paulo. O centenário Samaritano assumiu, em anos recentes, dois projetos de atendimento gratuito a dependentes do uso de drogas. Um é o Said, iniciado em agosto do ano passado no bairro de Heliópolis, perto de uma das maiores favelas da cidade. O outro é o Projeto Jovem Samaritano, iniciado um ano e meio antes no município de Cotia, na Grande São Paulo.
Os dois obedecem ao mesmo regime, ou seja, o Samaritano, instituição privada, que administra projetos para o setor público: o Said em convênio com a prefeitura; o Jovem Samaritano com o governo do estado. O Said acolhe de adultos a crianças; o Jovem Samaritano, só adolescentes. Os dois têm em comum o fato de serem regidos por um método importado do Chestnut Health Systems, entidade americana com sede em Bloomington, Illinois.
Visitar as instituições – chamemos de “clínicas”, embora os médicos não estejam de acordo em que a palavra expresse com justeza o que representam – é, para quem não é do ramo, experimentar duas sensações diferentes. Primeira, a de conhecer uma iniciativa inovadora, tocada por profissionais dedicados e bem qualificados, e alicerçada em fundamentos tão sólidos quanto a ciência pode proporcionar no momento, numa matéria tão complexa quanto a dependência de drogas. Segunda, a de observar de perto, ao entrar em contato com os pacientes, conversar com eles e ouvir suas histórias, um mundo do qual só se tinha conhecimento pela lente distante das estatísticas e das notícias de jornal.
Esta reportagem só falará dos menores. Dizer que eles chegam ao Said, ou ao Projeto Samaritano, vindos, na grande maioria, do submundo, é pouco. Vêm do sub do sub do submundo. Protagonizam histórias proibidas de contar para crianças, quanto mais de vivê-las. Era uma vez um menino que era abusado pelo tio. Era uma vez um menino que fumava crack com o namorado da mãe. Era uma vez uma menina que contraiu HIV aos 10 anos. Todos eles já estavam ou acabam na rua, consumindo uma pedra de crack após outra.
O autor deste texto teve sua atenção voltada para as clínicas administradas pelo Samaritano ao receber um e-mail de uma amiga, a jovem psiquiatra Camille Chianca. Ela já me contara que estava trabalhando no Said. No e-mail, disse que naquele dia lhe tinha dado a louca de mostrar algo diferente a dois dos meninos internados, um de 17 anos, outro de 13. Matutou, matutou e resolveu: ia levá-los ao Museu do Futebol.
Dois outros profissionais do Said, o professor de educação física Daniel e a técnica de enfermagem Jacinta, foram junto. “No museu, eles corriam, pulavam, olhavam ansiosos para uma coisa e outra”, escreveu Camille. “Acho que a adolescência é assim.” Pareciam – eis a grande revelação – adolescentes normais. O melhor ainda estaria por vir. Do Museu do Futebol, o grupo se dirigiu ao The Fifties, uma lanchonete da praça Vilaboim, ali perto do Estádio do Pacaembu. Camille disse no e-mail que nunca esquecerá o rosto do menino mais velho, que nunca tinha ido a um restaurante, ao saborear a maravilha disponível no local chamada milk-shake. O que minha amiga queria mostrar aos dois pequenos pacientes é que há coisas tão gostosas, ou mais, na vida, do que o crack. Naquela tarde, achou que tinha conseguido.
O e-mail de Camille me ofereceu um vislumbre do outro lado da lua. Do lado de cá, o que me é familiar, e, se não cometo grosseiro engano, à grande maioria dos leitores da piauí; as crianças aprendem desde cedo o que é milk-shake, e adolescentes... ora, adolescentes se comportam como adolescentes. Fui tomado pelo desejo de conhecer o trabalho realizado no Said e no Jovem Samaritano com os garotos e garotas do crack. Ou melhor, dos garotos e garotas portadores de dependência química. (Primeira lição: jamais chamá-los de drogados, muito menos de “crackeiros”, menos ainda de “nóias”.) Eles ficam internados por até três meses. Nesse período, se envolvem em atividades que vão da prática de esportes a aulas de música e discussões de grupo.
Há diferenças entre o Said e o Jovem Samaritano. O Jovem Samaritano, que começou antes, ministra um programa de aulas de português, matemática e ciências. No Said, isso ainda não foi implantado. As vagas são poucas, para que o tratamento, individualizado e intenso, possa ser bem ministrado. O Said pode abrigar até dezesseis adolescentes meninos, dezesseis adolescentes meninas (de 12 a 18 anos) e oito crianças (até 12 anos) – até isso existe nesse mundo obscuro. O Jovem Samaritano tem capacidade para acolher vinte internos, todos adolescentes do sexo masculino.
Os jovens, não raro com um passado (e um passivo) de infratores e passagens pela Febem (ou Fundação Casa, como foi rebatizada a instituição que acolhe menores transgressores em São Paulo), ao chegar se aproximarão dos profissionais de mãos para atrás e olhar baixo. Serão convidados a soltar os braços e levantar a cabeça, olho no olho. Terão aí a senha de que se encontram em outro ambiente.
Em minha primeira visita ao Said, fui recebido por Camille e pelo enfermeiro Reinaldo Antônio de Carvalho, coordenador técnico das duas clínicas administradas pelo Samaritano. A primeira surpresa reservada ao visitante é tomar conhecimento de que as instalações são de um antigo motel, desapropriado pela prefeitura porque se encontrava em situação irregular. É bizarro, mas, bem pesadas as coisas, eis uma ideia luminosa. Motéis demais e clínicas para dependentes químicos de menos, os males do Brasil são. O precedente merecia multiplicar-se. Ainda mais que a conformação arquitetônica dos motéis, basicamente a de longas fileiras de quartos, é a mesma requerida para clínicas. Os ajustes necessários para instalar o Said foram facilitados por essa circunstância. As garagens do motel, situadas ao rés do chão, transformaram-se em quartos. E os antigos quartos, no andar superior, viraram salas de reunião, oficinas de arte e de música, consultórios.
O conjunto todo se divide em quatro alas incomunicáveis – homens de um lado, mulheres de outro, adolescentes e crianças do sexo masculino em uma terceira ala, adolescentes e crianças do sexo feminino em uma quarta ala. Quando entrei na ala dos meninos, os três ou quatro que ali se encontravam, sentados em cadeiras, me estenderam a mão. O mais efusivo foi um baixotinho que não parecia ter os 13 anos que depois soube que tem. Ao passarmos por um corredor, Camille me chamou a atenção para a tampa de ferro vermelha do extintor de incêndio, toda amassada. “É o saco de boxe deles”, explicou. Os meninos são impacientes, continuou, e reagem com violência às contrariedades. Ela atribui a impaciência ao crack, que tem um efeito fulminante. Os adolescentes passam a querer o mesmo efeito em tudo.
O enfermeiro Reinaldo de Carvalho, que antes trabalhou no setor de psiquiatria da Santa Casa, me desfia uma pequena amostra dos casos assombrosos que teve nas mãos. Um deles é o do tal menino que era abusado pelo tio, com quem vivia. O menino era portador de leve deficiência mental e foi difícil arrancar dele o que acontecia em sua relação com o tio. Não achava relevante contar. Achava normal, numa relação entre crianças e adultos. Não faz muito, surgiu um paciente, adulto, mulher, mas que se dizia homem e afirmava chamar-se Fernando. Num raro momento em que um dos meninos pôde vislumbrar a ala dos adultos, o menino gritou: “Fernando!” Ele o(a) conhecia. Fernando/Fernanda era um(a) aliciador(a) de crianças para pedófilos. O menino que o(a) reconheceu pertenceu ao quadro dos aliciados. E quem era esse menino? Aquele mesmo que me cumprimentara mais efusivamente, à entrada – o que tinha 13 anos, mas parecia menos.
Um sistema de pontos avalia se os adolescentes tiveram maior ou menor envolvimento com as atividades propostas durante a semana, melhor ou pior desempenho. A tabela com os pontos fica exposta numa parede, à vista de todos. Um certo número de pontos rende uma recompensa, que pode ser, à escolha do contemplado, um telefonema para a família, a dispensa de uma atividade que lhe desagrade, ou mesmo um passeio. Naquela ocasião do Museu do Futebol e do milk-shake, Camille estava contemplando dois ganhadores da semana.
Em outra oportunidade, ela e a psicóloga Juliana levaram um menino de13 anos ao cinema. “Você sabe o que é um cinema?”, lhe perguntaram antes. “Sei. É uma televisão grande, tem cadeiras e tem pipoca.” Foram ao Shopping Santa Cruz, ver o filme Enrolados, em terceira dimensão. Entraram no saguão, e o menino, ansioso, perguntava: “Cadê a televisão grande? Cadê as cadeiras?” Calma, garoto. Quando chegaram à sala de projeção, o menino continuou falando alto. Ensinaram-lhe que tinha de falar baixo. Durante a sessão, comeu dois sacos de pipoca e tentou agarrar com as mãos as imagens que saltavam da tela. Ao sair, foi submetido a discreta inquirição para avaliar se tinha entendido a história. Tinha.
O enfermeiro Reinaldo de Carvalho, de 31 anos, casado, pai de uma filhinha de 1 ano, teve desde cedo despertada a vocação para o que faz. Nasceu numa pequena cidade na região de São José do Rio Preto, onde o pai, quando ele era criança, foi presidente da Câmara dos Vereadores. Nessa qualidade, o pai de Reinaldo recebeu do juiz, em certa ocasião, a incumbência de encontrar tutores para três doentes mentais. Sem ter a quem recorrer, o pai assumiu ele mesmo a tarefa, e levou os três doentes para casa. Na convivência com eles, Reinaldo de Carvalho teve sua curiosidade aguçada pelos mistérios do funcionamento da mente.
Fez então faculdade de saúde pública em Rio Preto já sabendo que queria trabalhar com saúde mental. Mudou-se para São Paulo e, ao ser admitido na Santa Casa, escolheu o setor dos dependentes de álcool e drogas. Da Santa Casa foi recrutado, por meio de uma empresa de headhunters, para os projetos que o Samaritano estava por instalar.
“Entre nossos desafios está a concorrência com o traficante”, afirma Reinaldo de Carvalho sobre seu trabalho atual. “Os meninos aqui ganham um tênis All Star quando chegam, mas que é um tênis diante dos mil reais por semana que o traficante pode lhes proporcionar?” É comum o consumidor se pôr a serviço do traficante. “Já encontrei casos em que, com a renda do tráfico, os meninos viram arrimos de família. Quando são internados, as famílias pressionam para saírem logo. Precisam recuperar a fonte de renda.”
Uma vez, caiu-lhe nas mãos um impresso, ou talvez se possa dizer um boleto, emitido pelo pcc (o Primeiro Comando da Capital, a central dos traficantes paulistas) e dirigido a uma família de São Vicente, no litoral paulista. O documento estipulava certa quantia que devia ser paga para que o filho continuasse autorizado a traficar.
O dependente químico só raramente é adicto a uma única droga. Um coquetel, no qual os especialistas nunca esquecem de incluir o cigarro e o álcool, faz parte de sua trajetória rumo ao depauperamento da saúde, à dissipação da atenção, ao aniquilamento da vontade e à impossibilidade de exercer atividade produtiva em que se constitui o estado avançado de dependência. De uns anos para cá, entre as camadas mais baixas da sociedade, principalmente, mas não só entre elas, o crack passou a reinar.
Essa droga começou a ser produzida na década de 70, nos Estados Unidos, e explodiu nas ruas das maiores cidades americanas, Nova York à frente, em meados dos anos 80. No Brasil, São Paulo à frente, chegou cerca de uma década mais tarde. “O crack nada mais é do que a cocaína em pó, adicionada de água e de bicarbonato de sódio”, escreve um dos maiores especialistas em dependência química do Brasil, o psiquiatra Ronaldo Laranjeira, num pequeno manual – Drogas: Maconha, Cocaína e Crack. O livro foi feito em parceria com Flávia Jungerman e John Dunn, todos da Universidade Federal de São Paulo, possivelmente o mais ativo e respeitado centro brasileiro de tratamento e pesquisa da dependência química. “Essa mistura é aquecida até a água evaporar, e o produto final consiste em pedras de cocaína”, prossegue o texto.
O crack é fumado em cachimbos, que podem ser comuns ou improvisações com base em tubos de caneta Bic, copinho de Yakult ou latas de cerveja furada. Quando o cachimbo é aceso e a pedra, parecida com uma pedra de açúcar, de uma cor que vai do branco ao marrom, pega fogo, produz um estalo. Daí o nome “crack”, estalo em inglês. Ele é tido como capaz de produzir efeito mais imediato e intenso do que a cocaína. Nem todos os especialistas concordam com isso. O grande diferencial seria o preço. Há pedras de 10 reais, de 5 e “lasquinhas” de 1 real. Daí o seu apelo junto a populações nos últimos subsolos sociais.
A revista Veja noticiou (na edição de 9 de fevereiropassado) que, da convivência do traficante carioca Fernandinho Beira-Mar com o paulista Marcola, na Penitenciária de Presidente Bernardes, no interior paulista, resultou que Marcola convenceu o outro a incluir o crack em sua cesta de ofertas. Até então, o carioca relutava, no pressuposto de que a inclusão do crack abalaria o mercado de cocaína. Não, argumentou o paulista, o crack só atingiria os mais miseráveis. A conferência de cúpula entre as duas sumidades do tráfico mostra como eles são bonzinhos, em primeiro lugar, e, em segundo, explica a entrada do crack no mercado do Rio, depois de um período em que São Paulo reinou sozinho. Hoje está disseminado Brasil afora.
A Prefeitura de São Paulo mantém há dois anos um programa de assistência aos moradores de rua. Ação Integrada Centro Legal é o nome do programa, bem de acordo com a tendência (federal, estadual e municipal) de embalar os programas com nomes de fantasia, de apelo marqueteiro – Fome Zero, PAC, Minha Casa Minha Vida. Mas que o Centro Legal não se perca, nem seja julgado, pelo nome. Funciona bem, até onde podem funcionar bem os programas sociais brasileiros, e criou a figura dos “agentes urbanos” para, à semelhança dos agentes de saúde, que visitam as pessoas em seus domicílios, ir ao encontro das pessoas que não têm domicílios.
O trabalho dos agentes urbanos consiste em abordar o “povo da rua” – outro nome de fantasia, este cunhado pelas ONGs e organizações religiosas – e oferecer-lhes a ajuda possível. No caso dos adultos, se não estiver em condições de responder à abordagem, de tão drogado ou alcoolizado, ou se estiver ferido, será encaminhado a algum hospital. Se estiver em condições de responder à abordagem, será encaminhado a um abrigo ou, se for o caso, a uma clínica, apenas se concordar com isso.
Tratando-se de menor de idade, flagrado consumindo ou sob o efeito de droga, será obrigatoriamente tirado da rua, e pode vir a ser internado numa das treze clínicas de que dispõe a prefeitura, entre as quais o Said. É o que determina o Ministério Público, com base no Estatuto da Criança e do Adolescente. Essa é uma das maneiras de o menor chegar ao Said. Outra é a própria família encaminhá-lo a um hospital, ou pronto-socorro, de onde será transferido para uma clínica especializada. E outra ainda é o próprio menor procurar ajuda terapêutica.
Em minha segunda visita ao Said, logo ao chegar cruzei com duas profissionais, a enfermeira Graziela, coordenadora da unidade de adolescentes femininas, e a assistente social Sheila. Elas saíam para uma audiência na Justiça em que tratariam do caso de Janaína. Para onde encaminhar a menina, terminado o prazo de internação? – esta era a questão. A mãe tinha sido notificada para discutir o assunto com o juiz da Vara da Infância e da Juventude do Fórum de Santo Amaro.
Nesse dia, Reinaldo de Carvalho, que conhece Janaína desde os tempos em que trabalhava na Santa Casa, me levou até a menina. “Meu príncipe!”, foi a saudação com que ela o recebeu. Janaína o trata assim desde o dia em que, internada na Santa Casa, naquela ocasião quando queimou o dedo, fazia tanta bagunça que o enfermeiro ameaçou: “Se você não parar, vai para o pronto-socorro.” A agitação, segundo ele, devia-se à crise de abstinência. Janaína vestia uma fantasia de princesa, tinha nas mãos um chapéu de príncipe, e disse que pararia se ele concordasse em colocar o chapéu na cabeça. O enfermeiro pôs, e virou para sempre o príncipe.
No dia de minha visita, cumprido o ritual de saudar seu príncipe, Janaína perguntou-lhe se ele já sabia do resultado da audiência. A política do Said é manter os pacientes informados de tudo que lhes diz respeito. Não, respondeu Reinaldo. Graziela e Sheila tinham acabado de sair. Janaína estava muito curiosa em saber se sua mãe compareceria à audiência, mas se mostrava pessimista. “Minha mãe me abandonou”, disse.
Janaína (o nome verdadeiro é outro) é filha de mãe alcoólatra. Tem oito irmãos, um deles deficiente mental. Logo depois de nascer, foi retirada da mãe, que batia nos filhos. Abrigaram-na num orfanato. Aos 5 anos, voltou para a mãe, que havia virado evangélica e parara de beber. Aos 9 anos, acompanhou a mãe numa sortida até a Cracolândia. O objetivo era resgatar um irmão de Janaína, cinco anos mais velho, que se viciara em crack. Em vez de trazer o filho de volta, a mãe acabou perdendo também a filha. Janaína gostou do que viu e, principalmente, do que experimentou.
A menina passou a viver na rua e a se prostituir para comprar o crack. Conquistou alguns protetores. O dono de uma padaria deixava que ela dormisse na soleira da porta de seu estabelecimento, e até lhe dava pão, de manhã. Entre um programa e outro, uma pedrinha e outra, não foi apenas daquela vez que queimou o dedo que foi parar na Santa Casa. Várias outras vezes machucou-se, ou exagerou na dose, e acabou no hospital.
Ela diz, com orgulho, que nunca roubou. Os programas é que lhe proporcionavam o dinheiro para comprar a droga. Cobrava dos clientes 10 ou 20 reais. Não gostava do sexo. E do que gosta? Janaína diz que, mais que tudo, gostaria de ter duas coisas: uma bota de caubói e uma bicicleta. Uma bota de caubói já teve, mas ficou pequena. “Hoje calço quarenta”, diz, olhando os pés. São mesmo grandes. Às bicicletas, ela se afeiçoou quando roubava as dos vizinhos para dar umas pedaladas. Ué, mas não disse que nunca roubou? “Ah, mas eu devolvia.”
Gosta também de natação, que praticava enquanto esteve no orfanato. Gostaria muito de voltar a nadar. E para onde gostaria de ir, quando deixar o Said? Ela sabe para onde não quer ir: para um abrigo. Nos abrigos é permitido sair, e ao sair ela terá vontade de “usar”. “Usar”, sem precisar o quê, é característico da linguagem dos dependentes de crack. Preferem evitar a palavra.
Ao nos despedirmos, Janaína mostra que ainda está com a audiência na cabeça. “Quando elas voltarem você me conta?”, pede a Reinaldo de Carvalho. Volta a comentar que a mãe a abandonou. Ele me dirá depois que a mãe não quer receber a filha de volta.
Nesse mesmo dia, conheci outro personagem de quem já ouvira falar – o menino que Camille e Juliana haviam levado ao cinema para ver Enrolados. Tem 14 anos, mas aparenta menos, é branco, trazia os cabelos negros raspados dos lados e distribuídos num bem desenhado círculo no cocoruto. A mãe, faxineira do metrô, mora no Jardim Damasceno, na Zona Norte de São Paulo. Tem três irmãos, um deles mais velho, e começou a usar crack aos 7 anos, segundo vai me dizendo numa conversa que progride aos arrancos, ele sempre respondendo com monossílabos. O irmão mais velho também usa, e os dois já passaram pela Fundação Casa, por furtos e assaltos. O pai vive no Recife.
Diz que, entre as atividades no Said, suas preferidas são “bater tambor” e jogar bola. Pergunto para onde vai ao terminar a internação e ele responde que voltará a morar com a mãe. Minutos depois, diz que vai viver com o pai, no Recife. Despeço-me, quando parecem esgotadas as possibilidades de arrancar-lhe alguma coisa a mais, e ele então se aproxima e me dá um abraço apertado. Que é isso? Nesse momento, até parece uma criança das nossas! Doce, carinhosa e amorável como aquelas do nosso lado da lua. Minha sensação deve ser a mesma que experimentou Camille, no Museu do Futebol, ao se dar conta de que seus dois pequenos pacientes agiam como o comum dos adolescentes.
Quando ele vai saindo, ocorre-me perguntar algo que me escapara. Há quanto tempo está aqui? “Setenta e dois dias”, responde, com inesperada presteza. Reinaldo de Carvalho comenta que é comum eles contarem os dias de internação. Acrescenta que a possibilidade de vir a morar com o pai, aventada pelo menino, é inexistente, e que a mãe sofre a pressão dos vizinhos (com quem convive em casas amontoadas, como ocorre nas comunidades pobres) para não receber de volta um menino que já aprontou tanto. A amorável criatura é outro candidato a eternizar-se na condição de criança largada.
A primeira surpresa que o doutor Pedro Daniel Katz reserva ao interlocutor, ao falar de sua história pessoal, é contar que, perto de terminar o curso colegial, hesitou entre a medicina e o rabinato. A segunda surpresa é que quem o ajudou na decisão foi o padre canadense Paul-Eugène Charbonneau, vice-diretor do Colégio Santa Cruz, onde estudava. Elementar, diria o espírito de porco: a um padre não interessaria a concorrência de mais um rabino na praça. Isso para quem não conheceu, ou nunca ouviu falar, do falecido Charbonneau, famoso por uma mente aberta que chegava a chocar, no panorama conservador da Igreja Católica dos tempos em que aportou no Brasil. Pedro Katz foi para a medicina sem deixar o cultivo dos ritos e tradições judaicas.

Uma terceira surpresa, para quem o conhece do ambiente dos hospitais, clínicas e consultórios, é que toca piano e canta num conjunto de música hebraica. Na medicina, especializou-se em psiquiatria e, dentro dela, devota particular interesse pelo tema do preconceito que cerca os pacientes de transtornos psiquiátricos. Num dos locais em que trabalhou, o Hospital Pinel, em Pirituba, quando a telefonista atendia e dizia “Pinel, bom-dia”, ocorria de a pessoa do outro lado cair na gargalhada. A vã e inculta plebe tomava o santo nome do doutor Philippe Pinel, fundador da psiquiatria moderna, pela grosseira acepção que entre nós se atribui a seu sobrenome. A mesma confusão transparecia na correspondência que, em vez de “ao Hospital Pinel”, vinha destinada “ao Hospital do Pinel”.

Desde 2001, Katz trabalha na psiquiatria do Hospital Samaritano. Hoje, aos 54 anos, é diretor técnico dos projetos Said e Jovem Samaritano. Ele me recebe nesse hospital sediado no mesmo recanto do bairro de Higienópolis, já quase confinando com o do Pacaembu, em que se implantou, em 1894, por iniciativa de grupos de imigrantes protestantes. Nove meses atrás, Katz talvez fosse descrito como um homem gordo. De lá para cá, como informa com orgulho, perdeu 16 quilos. A descrição merece ser corrigida para “um homem sólido”.

Diz que o que o atraiu para os projetos sob sua direção foi seu caráter “inclusivo”, baseado no “reforço positivo”, em que “não se fala nas perdas, mas nos ganhos do paciente”. São prescrições que afastam qualquer investida moralista contra os usuários de drogas, e estão na base dos protocolos desenvolvidos pelo casal de psicólogos Susan e Mark Godley, desde a década de 70, na Chestnut Health Systems, a instituição americana cujo método foi importado pelo Samaritano.

O enfoque é no comportamento e na capacidade cognitiva do paciente, e a chave que permitirá o início do tratamento é conseguir um canal de comunicação com ele, especialmente quando se trata de menor de idade. “Adolescentes não se abrem por si sós”, diz Katz. “Eles conversam pelo olhar.” Decifrar o que dizem é o primeiro desafio. Uma regra de ouro é jamais confrontá-los. Além dos psiquiatras, dos psicólogos e dos enfermeiros, os dois projetos ainda contam com os serviços de clínicos gerais, ginecologistas, dentistas, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, nutricionistas, professores de educação física, de primeiras letras e primeiros números, conselheiros (encarregados da ponte com as famílias) e monitores.

Já se percebe, se não se percebeu até agora, que empreendimentos como o Said e o Jovem Samaritano são caros. A prefeitura repassa 1 milhão de reais por mês ao Samaritano para a manutenção do Said. No outro projeto, o próprio Samaritano investe 3,5 milhões de reais por ano, gozando em troca da isenção fiscal que a legislação garante a hospitais que mantêm projetos de responsabilidade social, de ensino e de pesquisa. À crítica pelo alto custo sempre se pode responder invertendo a questão: E quanto custa à sociedade não contar com semelhantes iniciativas?

A abordagem multidisciplinar é característica do método. “A multidisciplinaridade é fundamental”, diz Katz. “É muito complicado trabalhar sozinho.” Ele acredita mais ainda nas virtudes de obedecer a um método. “Muitos profissionais chegam com ideias próprias, mas com o tempo percebem que é mais eficaz abraçar o modelo do que se deixar levar por iniciativas ou experiências pessoais.”

Num recente congresso em Buenos Aires, Katz deparou-se com painéis pendurados nas paredes que relatavam “casos”. Não falavam em métodos, nem descreviam protocolos. A seu ver, os serviços de saúde mental no Brasil são frouxos em metodologia; as decisões individuais superam os protocolos. Não que todos devam seguir o mesmo método. O National Institute on Drug Abuse, Nida, órgão do governo americano que apoia a pesquisa e fomenta a disseminação dos avanços científicos na prevenção e tratamento da dependência química, reconhece a validade de diversos métodos de tratamento. “O que não se pode é trabalhar sem método”, diz Katz.

Ao dar entrada, e apurados seu histórico de vida e situação familiar, o paciente será submetido a exames médicos que investigarão possíveis “comorbidades”, como se diz na linguagem técnica – doenças como Aids e tuberculose são frequentes. Mais difícil é identificar se o dependente químico sofre de alguma doença mental. Os sintomas continuarão mascarados pela droga, mesmo por um bom tempo depois que deixou de ser usada. Internado, ele não pode fumar nem ingerir bebida alcoólica.

Cada um terá um “manejador” – médico, psicólogo, assistente social, enfermeiro ou outro do elenco de profissionais, encarregado de olhá-lo de perto e atender suas necessidades. É uma forma de aprofundar o tratamento individualizado que se pretende ministrar. Terminado o período de internamento, aos pacientes é disponibilizado um tratamento ambulatorial por até dois anos. “Há vários instrumentos a serem utilizados no atendimento, mas o mesmo não funciona para todos”, diz Katz. E insiste numa máxima que recita com a ênfase necessária para lhe dar força de lei: “Nada é óbvio no dependente químico.”

Entre uma visita e outra ao Said, fui conhecer o Projeto Jovem Samaritano. Está instalado à margem da rodovia Raposo Tavares, ocupando as mesmas instalações de uma clínica com fins semelhantes, outrora administrada pelos padres camilianos, ainda donos da propriedade. Escapou de ocupar um antigo motel, mas por pouco: quem conhece a Raposo Tavares sabe que motéis não faltam, às suas margens. Motéis de mais e clínicas de menos, como o leitor já sabe, os males do Brasil são.

O ambiente no Jovem Samaritano é de chácara de lazer. Quadras e espaços com ar campestre circundam as construções térreas em que se sucedem os quartos e salas de atividades. Os muros são baixos. “Quem quiser pode fugir”, diz Reinaldo de Carvalho, que divide sua semana de trabalho entre um e outro dos projetos mantidos pelo Samaritano. O muro baixo enfatiza o caráter voluntário da internação. No começo, explica Reinaldo, houve fugas. Ultimamente, não. Enquanto ainda nos encontramos nos espaços ao ar livre, um jovem se aproxima do pequeno poste em que está pendurado um sino e o aciona. Está chamando o grupo para uma nova atividade. A cada semana um interno assume alguma das funções necessárias ao bom funcionamento da clínica. A este, atualmente, cabe a de sineiro.

A atividade para a qual ele chama é a discussão do “tema da semana”. Comunicação, autopercepção, memória: eis alguns exemplos de “temas da semana”, informa Reinaldo. Quando passamos para o interior da edificação, os meninos já começaram a reunião, a portas fechadas. Um deles sai da sala, no momento mesmo em que percorremos o corredor que lhe dá acesso. “Estou tonto”, justifica, e dirige-se a seu quarto. “Se fosse aula de educação física, ele não ficaria tonto”, comenta Reinaldo.

O Jovem Samaritano, no final de fevereiro, tinha só treze de suas vinte vagas preenchidas. Vivia uma entressafra. Alguns pacientes receberam alta em dias recentes; outros, candidatos à internação, estão sendo avaliados. Nesse instante, em outra sala, se está fazendo uma avaliação. É uma atividade que ocorre em mão dupla: tanto o candidato é avaliado quanto ele avalia se quer ficar ou não. Ficarei sabendo, até o fim de minha visita, que desta vez o avaliado não quis ficar.

No Jovem Samaritano, à diferença do Said, os meninos são divididos em grupos chamados de “alfa”, “beta” e “gama”, para a prática de algumas das atividades. O recurso às letras gregas é para não lhes ficar claro que há uma hierarquia entre os grupos, como ficaria, se fossem a, b e c, ou 1, 2 e 3. O alfa reúne aqueles que um leigo chamaria de mais inteligentes, ou mais bem preparados, ou mais aptos a absorver o tratamento, mas que os profissionais definem como de maior capacidade cognitiva.

O primeiro menino que vou entrevistar pertence ao grupo alfa. Tem 16 anos, fartos cabelos negros, é branco, sorri com facilidade, olha nos olhos, é vivo, atento e bem articulado. Hummm! Desculpe o leitor, ninguém aqui quer se fazer de preconceituoso, mas, de novo, vem aquela impressão de que ele é um dos nossos – não dos “deles”. No entanto, este menino vem de um ambiente barra-pesada. É do notório Jardim Ângela, bairro paulistano que a ONU já considerou a região urbana mais violenta do mundo. O pai “mexe com remédios” e a mãe é dona de casa. Tem um irmão e quatro meios-irmãos. Nos últimos anos, o Jardim Ângela recebeu melhoramentos, teve o policiamento reforçado e seus índices de criminalidade caíram. Mesmo assim, o jovem, quando lhe pergunto se era fácil obter a droga, vai contando de cabeça e chega a sete pontos de venda apenas nos quarteirões mais próximos de sua casa.

Ele diz que seu envolvimento com drogas teve origem no “vazio” que sentia, combinado com o desejo de “ser popular” e atrair meninas. Iniciou-se no tabaco aos 11 anos, na cocaína aos 13, chegou ao crack aos 15. Entrou e saiu repetidas vezes de instituições de recuperação. Começou a se afundar. Em vez de conquistar as meninas, viu-as se afastar. Perdeu cinco namoradas. Chegou a um ponto em que pediu socorro ao pai, o qual o trouxe à presente internação. Está aqui há um mês e dezesseis dias (também tem o número na ponta da língua), e considera-se bem encaminhado.

“Meu problema era achar minhas dificuldades”, disse. Acredita que achou, ou que está achando. Gosta de matemática. Anuncia que quer ser engenheiro civil. Exibe um ar seguro e confiante. Ao terminarmos a entrevista, peço a Reinaldo que me apresente um interno de outro grupo que não o alfa. Ele chama então um beta – um jovem também de 16 anos, pele morena, cabelo cortado rente, gestos nervosos, cara de mau. Não sorri. Êpa! Este é dos “deles”. Começa a conversa dizendo que tem muita raiva e pouca paciência. Qualquer olhar que lhe lancem, interpreta como desafio. É da periferia norte de São Paulo, mora ali, na rua Y, junto à avenida X, perto do supermercado Z, conhece? Faço que sim, mas claro que não. É um recanto do lado deles da lua, não do nosso. Vive com o pai, eletricista, que o trouxe aqui. Está cansado do mundo das drogas e do crime. Quer mudar de vida.

Ele conta que começou com as drogas aos 13 anos. Cocaína, maconha, lança-perfume. Não menciona o crack. (Não experimentou ou tem vergonha de dizer?) Envolveu-se com o tráfico e com assaltos. Gerenciava uma “biqueira” por delegação do tio, que, preso por tráfico e por sequestro, ordenou à família, num telefonema: “Diz para o Fulaninho traficar.” O Fulaninho, quer dizer, o menino que tenho à minha frente, assumiu altas responsabilidades no negócio. Cuidava do barraco de refino da droga, do barraco da estocagem e do barraco do comércio. O tio é da família da mãe. Toda a família da mãe é bandida, informa ele.

A esta altura, vira-se, levanta a camisa e mostra uma tatuagem nas costas. É um sol?, pergunto. “O sol é só para ‘desbaratinar’”, explica, e me pede para olhar com mais atenção. O sol esconde outra bola, no centro, dividida em duas metades por uma linha curva. Uma das metades é clara e tem no meio uma bolinha escura; a outra é escura e tem uma bolinha clara. A primeira representa o bem, a segunda o mal, explica. “É o símbolo do Comando Vermelho”, diz. Mas Comando Vermelho não tem só no Rio?, pergunto. “Não, tem no Brasil também”, responde, não sei se por um lapso ou porque sua geografia assim dispõe.

Três vezes esteve internado na Febem/Fundação Casa. Apanhou muito lá, e da polícia já levou tiro. Uma vez assaltou um bingo. Conseguiu não gastar todo o dinheiro e – prodígio de previdência – até hoje tem parte dele na poupança. À escola ia armado, ameaçou professores. Na Febem, agrediu companheiros. Cansou do sofrimento que causava a si mesmo e ao pai e veio para cá, superando o medo de que clínicas como esta cultivassem o mau hábito de misturar veneno na comida, como lhe diziam. Pediu ao tio para dispensá-lo das hostes do tráfico. O tio, que se diz convertido a Jesus e quer virar pastor evangélico, dispensou-o. Não fosse assim, estaria marcado para morrer. Quando sair daqui, quer retomar os cursos que outrora andou frequentando, no Senac.

Quando o jovem já deixava a sala, Reinaldo chama-lhe a atenção: “Não está esquecendo de alguma coisa?” Ele estava de chinelos. Ah, sim. Precisaria calçar os tênis, porque era hora de educação física. “Me entendo muito bem com esse menino”, comenta Reinaldo, quando ele se afasta. Em seguida me aconselha a não levar ao pé da letra tudo o que disse: “Eles costumam criar histórias para intimidar uns aos outros.” No caso, talvez também para me impressionar, acrescento. O eletricista pai do menino é “um doce”, segundo Reinaldo. Costuma visitar o filho e acompanha com atenção seu tratamento.

A clínica é aberta para a visita dos pais às quartas-feiras, das 17h30 às 19h30, quando eles são convidados a jantar com os filhos. Nem todos aceitam o convite. “Se seu filho tivesse operado de apendicite, você não iria visitá-lo?”, costuma argumentar Reinaldo com os recalcitrantes. “Eles estão em tratamento, da mesma forma.” Muitos pais, como vimos, na verdade gostariam de nunca mais ver os filhos.

A assistente social Deise Fernandes do Nascimento teve um sonho que a intrigou, em abril do ano passado. Ela se via num ambiente estranho, um edifício em que prevalecia o concreto, com muitos vazios, e crianças a cercavam. As crianças faziam uma roda à sua volta, como se lhe pedissem algo. “Que crianças seriam essas?”, perguntou-se, ao acordar. O sonho perturbou-a por vários dias. “Não podiam ser meus três filhos, duas meninas e um menino, não, era outro tipo de crianças, e numerosas.” Em agosto, soube por uma amiga que uma nova instituição, chamada Said, procurava um profissional que – enfatizou a amiga – se encaixava muito bem em seu perfil. Não se entusiasmou num primeiro momento. A amiga insistiu. Ela continuou relutante. Enfim se apresentou, gostou do projeto, o projeto gostou dela, e foi contratada. Hoje, aos 35 anos, é coordenadora da ala dos meninos do Said, e desconfia de que o sonho tem algo a ver com as tarefas que lhe cabem.Deise fa-la com desembaraço e defende com entusiasmo seu trabalho. “Eu amo o que faço”, diz. Às atividades práticas acrescenta as acadêmicas. Empenha-se num mestrado na Unifesp, em torno do tema Educação e Saúde na Infância e na Adolescência.

Ela conta que no momento (estamos na primeira semana de março), o grupo sob sua responsabilidade inclui uma criança, quer dizer, um menor abaixo dos 12 anos. Esse menino tem 11, e é da região de Sapopemba, na Zona Leste de São Paulo. Quando chegou, mostrava-se agressivo, gritava, jogava-se no chão. Seu curto passado já era rico de passagens por abrigos, por Caps (Centros de Atenção Psicossocial, entidades públicas para atendimento de portadores de transtornos mentais), por Creas (Centros de Referência Especializados de Assistência Social, entidades públicas criadas para fornecer proteção a pessoas sob “risco social”), pelo Projeto Quixote (entidade ligada à Unifesp). Tem cinco irmãos, os dois mais velhos na rua e os dois mais novos num abrigo.

Quando a mãe, de 35 anos, ela própria com uma história pessoal de abusos na bagagem, foi visitá-lo, ele chorou e questionou-a pelo fato de os irmãos pequenos estarem no abrigo. Deise providenciou uma visita do menino aos irmãos menores. “Foi bom para ele, há afeto entre os irmãos.” O menino tem melhorado. “Hoje é uma criança de 11 anos.” Seria uma história de sucesso? Ela hesita, diante de minha indagação. Sucesso? “Que é sucesso?”, devolve. Minha pergunta, mea culpa, mea culpa, foi tola. Esse menino tem muita estrada pela frente. Se hoje apresenta tal progresso que pode ser promovido à extraordinária categoria de “uma criança de 11 anos”, as condições gerais continuam péssimas, para percorrê-la.

Pergunto por outro caso que Deise considere significativo, e ocorre-lhe o de um menino de 13 anos, oriundo de estrato social mais alto do que o normal dos pacientes do Said. Os pais são separados, a mãe vive com o namorado. Os dois irmãos e o namorado da mãe são dependentes de droga. A mãe costumava deixar dinheiro para o menino, assim ele não roubava em casa para comprar a droga. O menino reagiu bem ao tratamento, teve alta e voltou para casa. O namorado da mãe, adicto à cocaína, mas ainda não ao crack, aproveitou sua presença para pedir-lhe: “Você me ensina a fumar
crack?” O menino o atendeu. Teve uma recaída, saiu de casa, voltou à rua.

Dias depois, entrou em contato com o Said e pediu para voltar. O tema do sucesso volta à cabeça de Deise. “Isso é sucesso”, comenta. “Perceber o que pode prejudicá-lo. Ver que é possível mudar.” Ela acredita no seu trabalho, acredita na possibilidade de oferecer uma alternativa aos jovens pacientes, mas é realista o suficiente para não estender o metro do “sucesso” para além do que é observável na hora presente, nas condições presentes.

Eis uma questão que torna a missão de quem lida com dependentes químicos semelhante ao de um viajante a quem é vedado enxergar onde vai dar a viagem – o que lhe acentua o risco da frustação, mas também a nobreza. O médico que tira o apêndice do paciente sabe que, pronto!, ele está curado. Mesmo o que trata de um câncer sabe, em boa parte das vezes, para o bem ou para o mal, no que vai dar o tratamento. Quem trata de dependentes de drogas trabalha com um horizonte mais conturbado. Mesmo porque a melhor ciência recomenda considerar que, para tais pacientes, incluindo entre eles os alcoólatras, não há cura. O que há é a resistência à recaída, mesmo que ela dure a vida inteira.

Dados tais descontos, um critério mínimo utilizado para apurar os índices de recuperação e manutenção – o doutor Pedro Katz não recomenda o uso da expressão “taxa de sucesso” – é acompanhar se, num período de dois anos, não houve reincidência, e se o paciente conseguiu a reinserção na escola, no trabalho e no ambiente social. Quando o Projeto Jovem Samaritano fez dois anos, uma enquete entre os atendidos até então chegou a uma taxa de 45% de resultados positivos. O projeto Said ainda não tem os dois anos para ser submetido a semelhante balanço.

Até o final de março, o Jovem Samaritano somava 235 atendimentos em sua existência. O Said, que oferece mais vagas, somava 430, aí incluídos os adultos. A Chestnut Health Systems, instituição em que se inspiram e se espelham os projetos do Samaritano, já contabiliza 60 mil atendimentos em sua história de mais de três décadas, e apregoa uma taxa de recuperação dos pacientes de 65%. No Brasil, a recuperação se complica quando a população atendida pertence aos mais baixos estratos da sociedade. Os americanos da Chestnut estiveram em São Paulo em fevereiro, para visitar as instituições administradas pelo Samaritano. Segundo o psiquiatra Elie Leal de Barros Calfat, coordenador dos médicos do Said, eles ficaram impressionados com as condições sociais dos atendidos, muito mais ingratas do que as que observam em sua terra. O mesmo psiquiatra Elie Calfat define com uma frase lapidar a sorte dos pacientes que lhe chegam às mãos: “A droga, na vida dessas pessoas, é apenas um adereço.”

PS: A mãe de Janaína não compareceu à audiência. Discutiram-se ali duas possibilidades: encaminhar a menina a um abrigo ou ao Programa Equilíbrio, mantido pelo Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP para atendimento das crianças de rua.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Discussões Urbanas: Por que São Paulo Não Resolve o problema da cracolândia?





Polícia Civil confirma curso do Denarc em Bragança Paulista em Dezembro.

Através do Núcleo de Prevenção ao Uso de Entorpecentes da Delegacia Seccional de Bragança Paulista ficou confirmado o Curso de Capacitação de Agentes Multiplicadores na Prevenção ao Uso de Drogas realizado pelo Denarc (Departamento de Investigações sobre Narcóticos) de 05 a 09 de dezembro de 2011. As inscrições e o local onde será ministrado o curso ainda não foram definidos.





Dr. Lauro Mario Melo de Almeida
Delegado Assistente
Coordenador do Núcleo de Prevenção ao Uso de Entorpecentes
Delegacia Seccional de Polícia de Bragança Paulista/SP

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

La coca remediará el estrés universal del ser humano


www.losandes.com.pe
JIMMY VALENCIA UNTAMA | Sociedad - 05:00h


Sabía usted. Que hace poco en la Universidad de Oxford, Estados Unidos, fue patentado el uso de la cocaína para el tratamiento de la obesidad. (Patente US4696819) y que también en este mismo país en la casa superior de estudios de Massachussets, fueron registrados los análogos de cocaína para enfermedades neurodegenerativas (Patente US05506359).
Lo que pretendo decirles con estos datos, es que la hoja de coca, además de ser de utilidad médica contra la artritis, como analgésico, antiasmático, antidepresivo y como supresor del apetito puede ayudar a mejorar el grave problema de la adicción a la cocaína, al crack y al basuco. Al menos así me lo hizo entender en una entrevista, Manuel Seminario Bisso, presidente del Comité de Industrialización de la Asociación Peruana de la Hoja de Coca (APEHCOCA).
El director gerente de Maná, una empresa que desde hace una decena de años en el Perú se dedica a industrializar y exportar a Estados Unidos esta hoja que fue heredada de los ancestrales Incas, nos mencionó que mañana, luego de visitar hoy Tiawanaco y pasear a bordo de su motocicleta por la ciudad de El Alto y La Paz, se reunirá con el presidente Evo Morales, en Palacio Quemado.
“Hoy en día en el mundo existe ‘una fatiga crónica universal`, las empresas que fabrican los energizantes se llenan los bolsillos con millones de dólares. Los monopolios farmacéuticos a cada hora crean nuevos fármacos para curar extrañas enfermedades. Y el Perú no escapa a esta necesidad.
Lo que propondremos al presidente boliviano junto con mi esposa Mariel Cabezas, (Presidenta de la Asociación Peruana de la Hoja de Coca), es el respaldo de la legalización de la hoja de coca en Perú, tan igual como Bolivia. Lamentablemente esta planta bendita que por culpa de los tabúes y la satanización de las Naciones Unidades, fue catalogada en el siglo pasado como droga, un mal de la sociedad”, sostuvo Seminario Bisso.
Seguidamente el psicólogo de profesión que junto a Mario Vildósola (Camarógrafo principal de los reportajes que hiciera Alejandro Guerrero en el Perú), filman un documental por siete países de Latinoamérica y que se llamará ¡Coca Libre!, mencionó además a este matutino que con la nominación de Ricardo Soberón Garrido, como presidente ejecutivo del Consejo Directivo de la Comisión Nacional para el Desarrollo y Vida sin Drogas (DEVIDA), la legalización de la hoja es cuestión de tiempo.
“Soberón es miembro del equipo de Drogas y Democracia del Transnacional Institute y autor de publicaciones sobre la problemática de las drogas y el narcotráfico. Él es de nuestro gremio, entiende y conoce los milagros de esta planta. La idea nuestra es implementar una nueva estrategia quinquenal conjunta de lucha antinarcóticos, que incluya la reducción de la pobreza rural y el desmantelamiento de las organizaciones criminales”, sostuvo.
Con respecto al narcotráfico que es combatido desde la década del sesenta por la Naciones Unidas y sobre todo en esta parte del mundo por Estados Unidos. “El Pacco”, o denominado por algunos chamanes de Lima, como guía espiritual, indicó que en estos tiempos de crisis mundial, es mejor que ingrese a la olla una hoja de coca procesada como harina antes de que esta caiga en una poza de maceración para convertirse con ayuda de químicos en Clorhidrato o Pasta Básica de Cocaína. Drogas que son causantes de crímenes horrendos.
“En el Perú el único monopolio de la hoja de coca es ENACO (Empresa Nacional de la Coca). Ellos al agricultor o cocalero le pagan por arroba (Una arroba equivale a 11 kilos y medio), la suma de 30 nuevos soles. El narcotraficante a ese campesino le da por esa arroba cien soles. Mientras que en Lima por un kilo de hoja de coca procesada en harina se le paga a ese agricultor 250 soles y en el extranjero sobre todo en el mercado norteamericano, el kilo de harina esta valuado en 100 dólares. ¿Dónde estaba la habilidad del Estado para hacer industria? ¿Por qué no apoyan al agricultor? Por eso y otras razones sociales es necesario legalizar la coca, en Bolivia la planta es patrimonio cultural de la nación, mientras que en el Perú el INC no le dio esa importancia”, alegó.
En otro pasaje de la conversación, el vegetariano y padre de una niña que también optó por no engullir carnes, acotó que con el chajchado de la hoja entera (como Planta Mágica), los problemas de salud casi nunca aparecen y que el estrés (Primera enfermedad que mata más hombres y mujeres en el mundo), es combatido de la manera más sencilla por esta medicinal planta que es catalogada por algunos médicos en el orbe como el remedio verde en lugar de los polvos blancos.
“En cada cien gramos de harina de hoja de coca, encontramos 19, 90 proteínas y 304 calorías, que combinadas con harina de kiwicha, tarwi, quinua, pazas, ajonjolí y otros alimentos, mejorarían la dieta de los escolares que a diario en los colegios y gracias a los programas sociales ingieren fideos y lácteos mal elaborados. Yo después de reunirme con Evo Morales proseguiré mi camino hacia Argentina, llevaré en mi motocicleta mi bandera y prometo retornar el próximo año por estas tierras para ofrecer en un horno rodante la infinidad de productos que se pueden fabricar de harina de coca”, finalizó.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Brasileiros não aceitam liberação do uso de drogas

Diário do Nordeste
Publicado em 17 de agosto de 2011

Brasília. Os brasileiros são majoritariamente contra a descriminalização das drogas no país, aponta pesquisa divulgada ontem pelo CNT/Sensus. Dos entrevistados, 78,6% disseram ser contra a descriminalização do uso de drogas em geral, e 82,2% disseram acompanhar ou pelo menos ter ouvido falar dos debates recentes sobre a temática.
A pesquisa foi realizada entre os dias 7 e 12 de agosto em 24 Estados. Ouviu 2 mil pessoas e tem margem de erro de 2,2 pontos percentuais.
A temática LGBT também foi abordada pelo levantamento. Para 56,3% dos entrevistados, o Congresso não deve aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Mesmo que aprovado o casamento, 55% dos entrevistados disseram ser contra a possibilidade de adoção por casais do mesmo sexo.
Houve uma pequena variação, se comparada com pesquisa anterior realizada em 2005, no percentual dos que aprovam a união estável entre pessoas do mesmo sexo - passou de 32,7% em 2005 para 38,6% em agosto deste ano.

Maioridade

O mesmo movimento foi verificado com relação à redução da maioridade penal dos 18 anos atuais para 16 anos. Em 2007, 81% dos entrevistados se disseram favoráveis à redução. Em agosto deste ano, o percentual subiu para 86%.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

As Drogas estão mais próximas do que se imagina


VALTER BERTINI é advogado militante, artista plástico e memorialista

Notamos que os jornais publicam constantemente matérias dando conta da apreensão de drogas, agora já em quilos, por vezes em grama. Isso sinaliza que o consumo vem aumentando.
A publicidade em torno da apreensão de drogas é grande, no entanto, inexiste campanha publicitária voltada a orientar e muito menos postura política para prevenir e tratar os dependentes químicos do Município.
Os Municípios são responsáveis pelo tratamento dos dependentes químicos, principalmente se o cidadão ou seus familiares não tiverem condições para custear o tratamento.
Por essas e outras razões escolhemos o tema “Drogas” para tratar nesta e nas próximas edições. Iniciamos pelo álcool, que embora droga, seu consumo é tolerado pela sociedade. Via de regra o homem era considerado o maior consumidor, isso mudou, hoje esse titulo vem passando gradativamente aos adolescentes e mulheres. A cada dia que passa é comum observar copos e mais copos de cerveja e destilados borrados de batom num bar, isso confirma as estatísticas: o sexo feminino já supera o masculino quando o assunto é alcoolismo na adolescência.
A visual calça jeans, miniblusa, cabelos longos, bolsas coloridas é maioria nas rodinhas, mas as meninas não só invadiram os bares, como também as estatísticas de problemas com a doença.
Segundo o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), 6,4% das moradoras de São Paulo entre 12 e 17 anos apresentam sinais de dependência do álcool.
Nos garotos da mesma idade, o índice é de 4,9% – pesquisa feita com base em 4.117 entrevistas. Este é o único grupo etário em que as mulheres aparecem à frente. Nos maiores de 35 anos, por exemplo, 16% deles têm indícios de alcoolismo contra 5,4% delas.
Esta diferença entre as idades revela uma mudança cultural. As mulheres passaram a ter os mesmos desafios do que os homens, a mesma vontade e necessidade de auto-afirmação. É uma pena que as meninas de hoje encarem o fumo e a bebida como um instrumento de disputa de poder com os meninos.
Hoje ninguém se espanta com uma menina no bar. Elas “bebem nem tanto por rebeldia, e sim, porque a facilidade de beber ficou igual à encontrada pelos meninos”, diz Ilana Pinsky, psiquiatra da Unifesp.
Mônica Zilberman, professora de psiquiatria da USP, cita ainda as características psicológicas da adolescência feminina. “Nos atendimentos, onde é cada vez maior a presença das meninas, elas falam muito que os motivos para beber são os foras dos namorados, a dificuldade em lidar com as mudanças no corpo. Nos discursos delas é muito mais forte a questão depressiva do que nos meninos, que citam o ‘beber’ como artifício de diversão.”
A maioria dos adolescentes começa a beber porque fazê-lo lhes parece uma “coisa de gente grande”, “por estar na moda” e estar de acordo com o grupo, para se sentirem à vontade socialmente e para reduzir a ansiedade, escapando dos problemas.
Se o sistema familiar, em sua estrutura psíquica e afetiva, não é capaz de fornecer-lhe o suporte de que necessita para lidar com sua angústia, é comum que o jovem faça uso de bebidas e drogas facilmente oferecidas a ele pela sociedade e pelo grupo de iguais como um meio para “solucionar” o mal-estar, em busca de momentos de prazer e alívio, pelo efeito tranqüilizante, de euforia e desinibição originados pelo efeito do álcool no sangue.
Entretanto, é assustador, nos dias atuais, o elevado número de jovens que abusam do consumo de álcool, causador freqüente de inúmeros acidentes automobilísticos e perdas prematuras de vidas. O crescente abuso do álcool pelos adolescentes amplia ainda mais o número de dependentes alcoólicos.
Assim como outras drogas que causam dependência, o álcool reforça o seu próprio consumo através da ativação do circuito de recompensa do cérebro. O consumo repetido de álcool pode induzir à tolerância, o que significa que a quantidade necessária para produzir o efeito desejado tem que ser progressivamente aumentada. É bom lembrar que o corpo da mulher tem menos enzimas e é composto por menos líquido, diz a psicóloga Camila Silveira, do Centro de Informações Sobre Saúde e Álcool (Cisa). “Isso faz com que o organismo tenha mais dificuldade em diluir o álcool, o que provoca a dependência em menor tempo.”
O álcool tornou-se a droga psicoativa mais consumida de todos os tempos e é a que tem o maior exército de dependentes. Infelizmente essa também é nossa realidade.

"Maldives 1410: help for drug users is just one ring away


"After three years of heroin abuse, I finally see hope," says Abdul as he marks his fifth day at a drug detoxification centre in Villi Male island, Maldives. Abdul is 26 and started using drugs three years ago in Sri Lanka, where he attended university. As drugs took over his life, he abandoned his studies and returned home to Male, the capital of Maldives. "No one in my family knew about my habit. It was like a secret disease that I was trying to get rid of," he says. "Three months ago I went to the local hospital and they suggested I enroll in their detoxification programme, but I did not have medical insurance. Then, my wife found out, and just as I was wondering what to do next, her brother-in-law told me about the '1410' drug helpline."
On 26 June, as part of activities to mark World Drug Day, President Mohamed Nasheed of Maldives launched 1410, a free national toll drug helpline operating 24 hours a day, seven days a week. The helpline aims to provide community members, especially in the remote islands of Maldives, with accurate information related to substance use and the various drug treatment, care and associated support services available in a confidential and professional manner. Launched as a collaboration between UNODC, the Department of Drug Prevention and Rehabilitation Services, the Government of Maldives and local telecom companies, the helpline is targeted at the general community, with a special focus on drug users seeking treatment and their families.
Abdul says that he was hesitant at first to give out his personal details when he called because he had always been discreet about his drug use: "However, when I called the helpline, the counsellor was very helpful. She gave me information about the different treatment options available, such as detoxification, rehabilitation and oral substitution therapy, and encouraged me to visit them at the Department of Drug Prevention and Rehabilitation Services. I went to meet them and opted for the 21-day detox programme, which I am now taking."
The helpline is operated by 12 volunteer counsellors from the Department of Drug Prevention and Rehabilitation Services, working on a daily rotational basis, all with prior drug counselling experience and fluent in English and the Maldivian language, Divehi. "We have to answer the call within two rings," says Ahmed Firaaq, an experienced counsellor with the Department. "We screen the callers, assess their requirements and give them information or direct them to appropriate services. We receive numerous calls from people who want to quit drugs, as well as teachers and professionals who would like to know how to identify and assist drug users."
A helpline like 1410 is critical in a country like Maldives, which comprises hundreds of islands and where drug use is on the rise. "This is an excellent initiative," says Aishath Mohamed, the programme manager of the non-governmental organization Society for Women Against Drugs. "We can reach out to a large number of people through the helpline, including parents and young people. However, the helpline needs more advertisement and publicity, as it is an important initiative that must be sustained."
"I sincerely believe that there are many people who can benefit from the helpline," concludes Ahmed Firaaq. "In my experience as a counsellor, I have seen many clients who do not have the courage to ask for help in person and as a result do not benefit from timely information. Through the helpline, we can give people correct information and treatment options, while maintaining confidentiality and anonymity."
The '1410' helpline has been initiated as part of the UNODC-supported project "Strengthening the national response to prevent drug abuse in the Maldives", which is being implemented by the Government of Maldives. The project is funded by the European Union. The helpline is subsidized by the two telecom companies Wataniya and Dhiraagu.